Prefeito tem 30 dias para encaminhar planilha com balanço financeiro do Hospital para Câmara de Vereadores

Com um discurso incisivo, o vice-presidente da Câmara e vereador João Luís Moreira da Silva “Bacana” (SD), cobrou do prefeito Paulo Bier, através de pedido de informações, o encaminhamento para o Legislativo de planilhas detalhadas sobre a atual situação financeira do Hospital Municipal Santo Antônio. O ofício foi referendado pelo presidente da Casa, André Randazzo dos Reis (PMDB) e pelo secretário da mesa diretora, Josemar Bandeira (PDT).

O vereador deu um prazo de 30 dias, que começou a contar a partir da reunião desta segunda-feira, 6, para que o Executivo apresente um balanço de todos os recursos repassados pelo Governo do Estado e pelo próprio Município, além de investimentos, lucros e gastos com a entidade de saúde. 

“Como vereador e, portanto, fiscalizador do Executivo, eu tenho o direto de saber onde foi aplicado o dinheiro público investido no Hospital, de todas as verbas aprovadas por esta Casa (que não foram poucas) e destinadas para a manutenção do atendimento a população e pagamento dos funcionários. Caso estes dados não sejam apresentados neste prazo, eu como autoridade, vou pessoalmente até a direção para que me apresentem este balanço”, afirmou Bacana.

Ele disse não acreditar, apesar da crise que atinge o setor, que o Hospital não tenha recursos para honrar o pagamento dos funcionários. “É inadmissível que um trabalhador, preste os serviços a uma empresa, com dedicação, e no final do mês não receba o seus proventos. Como ficam estas famílias, e as contas a pagar no final do mês. Pelos relatos, dois meses de salário estão em atraso, sem contar o décimo terceiro. Então a minha dúvida é, onde foi parar todo o dinheiro aplicado no hospital”, questionou o vereador.

Com relação às declarações do proprietário da empresa gestora e médico, Germann, o vereador foi mais duro ao afirmar que ele falta com a verdade, seja em reuniões com os vereadores, com os funcionários e em entrevistas aos  meios de comunicação. “Quero saber se ele também engana o Prefeito, responsável pela sua vinda para cá e conforme fontes do hospital, seu amigo íntimo”, questionou Bacana.

O vereador lembrou na época em que o Mãe de Deus deixou a administração do Hospital o apoio prestado para que a população tivesse acesso ao atendimento hospitalar. No entanto, disse não aceitar uma gestão sem transparência, que omitem dados e não cumpre com os seus compromissos junto aos funcionários.