A espera por uma consulta médica no Posto de Saúde Central de Santo Antônio da Patrulha voltou a gerar longas filas desde a madrugada. Pacientes estão chegando com até 12 horas de antecedência ao local, para conseguirem uma das 10 fichas que são disponibilizadas todas as segundas-feiras de manhã. O vereador Marcelo Gaúcho, após ser informado da situação, foi até o Posto de Saúde ás 4h da manhã desta segunda-feira, 26, e pôde vivenciar o que tantos patrulhenses passam em busca de uma consulta médica.


Além da longa espera, os pacientes tem que ficar ao relento, pois o Posto de Saúde não deixa os portões abertos para que as pessoas tenham, ao menos, onde sentar para esperar. Sendo assim, o único lugar para passar a noite acaba sendo a lancheria que fica ao lado do Posto, um local aberto, porém coberto e com alguns bancos à disposição dos clientes. Outra dificuldade enfrentada pelos que esperam é a falta de banheiros. Os homens acabam usando os sanitários da Praça em frente aos Correios, porém as mulheres não conseguem usar o mesmo por conta do risco de ir até o local (escuro e afastado) sozinhas.


Conversando com as pessoas que esperavam na madrugada de hoje, o vereador ouviu graves relatos sobre a forma de marcação das consultas atualmente. Segundo um paciente, são disponibilizadas 10 fichas de pronto atendimento para os médicos Sérgio Castro e Taís Munari, porém, ás vezes, somente 8 ou 9 pessoas conseguem fichas. “Quem tem ‘cunha’, consegue ficha sem precisar da fila. Minha vizinha recebeu a ficha dela em casa. Estão passando a perna no povo”, disse um morador que estava desde às 18h45min do dia 25 na espera. Segundo ele, quem tem conhecido que trabalha no Posto de Saúde consegue uma ficha facilmente, sem a necessidade de esperar horas como os outros.


Outra paciente relatou que sua filha fazia tratamento dentário no Posto e sempre teve sua reconsulta marcada após o término da consulta. Porém o sistema não funciona mais assim, tendo retornado para as filas. A paciente conta que teve que deixar de comer para pagar uma consulta particular para que a filha não perdesse o dente. Há também várias reclamações sobre a especialidade de ginecologia no Posto. Moradores reclamam que “só consegue atendimento quem é gestante, quem não está grávida, mas tem problemas sérios tem que esperar na fila para consulta e exames”, diz a paciente.


Marcelo também ouviu muito sobre a insegurança na fila e na falta de transporte até o Posto durante a noite anterior ou na madrugada do dia das marcações. Geralmente as pessoas vem caminhando de localidades como Várzea e Bom Princípio, colocando a vida em risco nas estradas além da possibilidade de assalto durante o trajeto e também na fila onde ficam esperando.


Todos estes depoimentos foram gravados pelo vereador que, volta a pedir providências ao Prefeito sobre o número de fichas disponibilizadas e a forma como as pessoas ficam esperando para ter acesso às consultas. “É desumano ficar ao relento, correndo riscos, para conseguir um atendimento médico especializado. Precisamos encontrar outra saída para esta situação”, conclui o vereador.


Conforme contato com a esquipe do Posto de Saúde (hoje a tarde), foi informado que para o dia de hoje foram disponibilizadas 16 fichas ao total para atendimento com o Dr. Castro, sendo 08 para a fila de espera do pronto atendimento e 08 para consultas já agendadas anteriormente. Já para a Dra. Taís, foram disponibilizadas 08 fichas para pediatria com atendimento pela manhã e durante a tarde ela estaria realizando consultas de regulação do Estado, porém não foi informado aos pacientes da fila que hoje não teria atendimento clínico com a médica.