Marcelo visita prédio interditado na Escola Nossa Senhora de Fátima e cobra PPCI da prefeitura

 

Na tarde desta terça-feira, 05, o vereador Marcelo Gaúcho esteve na Escola Municipal de Ensino Fundamental Nossa Senhora de Fátima, conversando com a Vice Diretora, Gislaine Lima, a respeito da Interdição Parcial do Prédio Anexo 1, por conta do Corpo de Bombeiros local. O Anexo 1 da Escola Nossa Senhora de Fátima abriga a cozinha, o refeitório, sala de reforço, biblioteca e laboratório de informática.

O prédio apresenta fissuras em algumas paredes e partes dos azulejos do assoalho de algumas salas estão se soltando. Também houve relatos de que parte da edificação tremia quando havia movimentação grande no segundo piso, local onde se encontram os problemas.

A Vice diretora também falou que o Prédio não tem PPCI – Plano de Prevenção Contra Incêndios e que, enquanto a prefeitura não providenciar este documento, os Bombeiros não liberarão o anexo para uso da escola e dos alunos.

A diretora, Márcia Fraga, já havia pedido normalização da documentação do PPCI com antecedência, mas prefeitura não fez. No momento da visita o Tenente Cardoso e um colega, acompanharam a vice-diretora e o vereador até as dependências do prédio interditado e reforçaram que, mesmo após o relatório da Defesa Civil, o espaço só voltará a funcionar com o alvará dos bombeiros e alvará da prefeitura, que deve ser emitido após vistoria de um técnico responsável e PPCI completo e atualizado.

As professoras e funcionárias providenciaram uma cozinha provisória para que as crianças não fiquem sem seus lanches e refeições, porém a sala improvisada não é adequada nem suporta o volume de trabalho.

Em março do ano passado, o vereador já havia encaminhado um Requerimento à prefeitura, pedindo o PPCI nas Escolas municipais e estaduais de Santo Antônio da Patrulha. O pedido de informações nº 117/2018, de 26 de março, solicitava ao Executivo Municipal que informasse se estavam sendo observadas as medidas previstas no PPCI nas Escolas Municipais da cidade. Em resposta, a Secretaria Municipal de Educação, SEMED, afirmou que todas as escolas municipais possuem lâmpadas de emergências, extintores de incêndio, bem como placas de sinalização. As escolas/professores possuem curso de formação preventiva contra incêndios, com vencimento até o ano de 2019. Também segundo a resposta da SEMED, naquele momento uma empresa especializada estava analisando as plantas de todas as escolas, para a colocação de equipamentos necessários, de acordo com as normas estabelecidas para emissão do PPCI das mesmas. O documento ainda diz “A SEMED está tomando todas as devidas providências para atender as orientações do Corpo de Bombeiros”.

Porém, passou-se 1 ano e 9 meses desde o pedido do vereador, e algumas escolas do município de Santo Antônio da Patrulha ainda não tem o PPCI para funcionamento. Marcelo reafirma que, é de extrema urgência que estes documentos sejam providenciados pela prefeitura para que não haja nenhuma tragédia futuramente com nossas crianças. Segundo o vereador, a prefeitura cobra de empresas e de contribuintes, os alvarás e demais obrigações, quando ela mesma não dá o exemplo, como os alvarás de funcionamento e as calçadas, como a calçada entre as escolas Nossa Senhora de Fátima e Soneca.