Vereador Gabriel propõe programa de acompanhamento multidisciplinar para recuperação pós-Covid

A adoção de medidas multidisciplinares para o atendimento clínico, físico e mental a pacientes pós-Covid foi pautada pelo vereador Gabriel Diedrich (MDB), na 23ª Reunião Ordinária da Câmara de Vereadores de Santo Antônio da Patrulha, na segunda-feira (13/7).

O vereador Gabriel Diedrich apresentou a indicação nº 140/2021 ao poder Executivo onde sugere a criação de um programa de acompanhamento multidisciplinar para recuperação pós-Covid, para as pessoas que ainda enfrentam sequelas da doença.

A ideia central seria atender a necessidade de um tratamento multiprofissional, a partir de uma avaliação individualizada que contemple aspectos físicos, funcionais e psicológicos para definição de um plano terapêutico. A equipe de profissionais envolvida seria composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas, educadores físicos e psicólogos.

A proposição do parlamentar tem o intuito de melhorar a qualidade de vida dos acometidos pela Covid-19, bem como trazê-los de volta à rotina diária sem sequelas. O tratamento “pós-Covid” é especialmente importante para os que passaram longos períodos em leitos clínicos e, mais ainda, para aqueles que estiveram internados em UTI’s.

“As sequelas são intensas e não há estudos suficientes para que se determine quando e por quanto tempo elas se manifestam após a alta”, observa Gabriel Diedrich, dizendo ainda que estudos apontam que até 80% das pessoas que tiveram a forma mais grave da Covid-19 ficaram com alguma sequela respiratória, renal, cardíaca, vascular ou psicológicas, entre outras. Para o edil, o desafio é o de organizar atendimentos multidisciplinares, a exemplo do que vem sendo feito em outros países e em alguns estados e municípios brasileiros.

O programa poderia ainda prever um ambulatório pós-covid, com equipe multidisciplinar, para onde se concentrariam os atendimentos a partir do encaminhamento pelas unidades básicas. Aliado a isso, pode ser incentivado um programa de voluntariado, com a participação de sindicatos, entidades e profissionais liberais, também voltado ao atendimento pós-covid.

“O setor público precisa estar preparado para dar esse atendimento à população, por um período que atualmente varia de três a seis meses”, afirma o vereador Gabriel. O parlamentar também alertou que as sequelas podem ser tão graves quanto a doença em si e levar a óbito.

Gustavo Bernardes, presidente da Associação das Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19 (Avico Brasil), disse que estudo do Hospital Albert Einstein aponta que 25% dos pacientes intubados morrem, 40% dos pacientes que tiveram em UTI voltam a ser internados e 25% não retornam ao trabalho. Ainda acrescentou que 22% foram acometidos por transtornos mentais como ansiedade, 19% por depressão e 11% por estresse pós-traumático.