Valor do exame para renovação de carteira de motorista onera motoristas municipais

A obrigatoriedade da realização de exames toxicológicos para renovação da Carteira Nacional de Habilitação nas categorias C, D e E tem trazido transtornos aos motoristas. O assunto foi levado à tribuna da Câmara, pelo vereador Adelino Stecanela (PMDB), na noite de segunda-feira, 10.

Em requerimento encaminhado a Procuradoria do Município, o vereador questiona a possibilidade de o Executivo arcar com o valor do exame, que custa entre R$ 300 e R$ 400, para os servidores concursados que necessitem renovar ou altera a categoria da sua carteira.

“Para os funcionários que exercem cargos de motorista, desembolsar este valor pesa no orçamento familiar. Muitas empresas privadas já estão assumindo este ônus como forma de acelerar a renovação, até porque ela pode demorar até um mês, devido à exigência do exame”, explicou Adelino.

Ainda segundo o vereador, alguns motoristas estão se vendo obrigados a rebaixar a categoria na hora de renovar a carteira, pelo alto custo do exame, que só pode ser efetuado em laboratórios credenciados ao Detran, em Porto Alegre. “Quem é motorista, que exerce atividade remunerada sabe o quanto é difícil ficar sem a carteira. Portanto, a minha indagação sobre a legalidade da Prefeitura pagar este custo para os servidores”, relatou.

 

Foto: Vereador Adelino pede informações ao Executivo