O vereador Jorge Eloy de Oliveira, Presidente da Câmara de Santo Antônio da Patrulha, protocolou um Pedido de Informações sobre o não atendimento diário da Unidade Móvel de Saúde do município, no dia 18 de maio.


O Requerimento nº 209/2018 solicita o motivo pelo qual a Unidade Móvel da Saúde está atendendo apenas três dias por semana (terças, quartas e quintas) ao invés de atender os cinco dias da semana, visto a demanda deste serviço e a necessidade das comunidades.


Na mesma linha, Jorginho quer informações sobre qual a previsão para entrar em funcionamento a segunda Unidade Móvel da Saúde, já que o município tem disponível outro veiculo e este se encontra parado.

 

Na sessão Ordinária do dia sete de maio deste ano, foi promulgada pelo Vice-Presidente da Câmara de Vereadores de Santo Antônio da Patrulha, João Luis Bacana, a Lei nº 8.104/2018 que dispõe sobre a divulgação da relação dos médicos e relação dos medicamentos disponíveis na rede pública de saúde municipal.


O Projeto da referida Lei já tinha sido aprovado no dia 26 de março, por unanimidade pelos vereadores. Porém foi vetada pelo Prefeito Municipal, retornando ao legislativo onde foi promulgada. Os edis disseram sim ao Projeto de autoria do vereador Marcelo Gaúcho, que trará facilidade aos usuários do sistema público de saúde do município, ao saberem quais médicos, dentro de suas respectivas especialidades, estarão disponíveis nas casas de saúde e seus horários de atendimento em Postos e ESFs (Estratégias de Saúde da Família), bem como nas centrais de marcação, e pronto atendimentos e Hospital Municipal.


Conforme a Lei, o Poder executivo divulgará, em site oficial e nas dependências das unidades de saúde, a relação dos médicos e medicamentos (atualizada) disponíveis na rede de Saúde pública municipal. A alteração dos médicos e medicamentos em estoque também deverá ser publicizada pelo executivo.


A Lei já está em vigor, desde a sua data de publicação.

 

Em uma de suas muitas andanças pelo interior de Santo Antônio da Patrulha, o vereador Marcelo Gaúcho visitou um dos pontos turísticos situados no interior do município. Além de fazer parte do roteiro de turismo religioso da cidade, a toca Santa também é muito procurada por esportistas e amantes das belezas naturais da terra.


A Toca Santa fica situada em Catanduva Grande, e para ter acesso é preciso subir uma escada que foi esculpida na pedra, formando largos degraus que se misturam com a vegetação local. Seguindo por um carreiro, também de pedras, o visitante pode avistar uma gruta natural, e um altar montado com bancos de madeira, como se fosse uma igreja. Além de um lindo santuário com várias imagens de santos onde as pessoas participam de missas e fazem orações.


Em outro espaço, existe uma área de lazer que dispõe de churrasqueiras e banheiros públicos para que os visitantes possam passar o dia em meio à natureza. No 3º final de semana de fevereiro e também no dia 12 de outubro de cada ano, festas de paróquias são realizadas na Toca Santa, levando grande número de devotos ao local.

 

Na 13ª Reunião Ordinária da Câmara de Vereadores de Santo Antônio da Patrulha, ocorrida em 07 de maio, o vereador Valtair Andrade, Pelado, protocolou Indicação para que a Secretaria de Saúde do Município faça melhorias na forma de transporte de pacientes do interior que precisam de tratamento em hospitais da capital do Estado.


O documento 41/2018 sugere que a Prefeitura volte a buscar pacientes com câncer em suas residências para que eles possam ser transportados até suas consultas em Porto Alegre. Pelado salienta que após a mudança no transporte de pacientes da Secretaria de Saúde municipal para a capital, através da empresa de ônibus Unesul, muitos dos doentes que moram no interior do município ficaram sem ter como chegar até a sede para embarcar no ônibus, que parte do centro da cidade. Além disso, muitos pacientes estão debilitados demais para pegarem mais de uma condução para conseguir fazer seu tratamento.


Portanto, o vereador pede que seja dada uma atenção especial aos pacientes que tenham problemas mais graves de saúde, considerando a importância da vida humana e a responsabilidade do município em cuidar da sua comunidade.


Na mesma linha, o vereador Marcelo Gaúcho, fez um apelo à Secretaria de Saúde, em sua página na sua rede social, onde conversa pessoalmente com pacientes que passam pela mesma situação pleiteada por Pelado.


Em São José da Data, um senhor que tem câncer no esôfago, e está muito debilitado, pesando apenas 31 kg, vive com a família de 8 pessoas e não tem condições de se locomover até a parada de ônibus mais próxima (na Miraguaia), que fica há mais de 20 km de distância de sua casa, para embarcar no Unesul e ir até Porto Alegre. Antes da mudança no transporte, um carro da SEMSA o buscava em casa para leva-lo até as consultas, porém agora, sem condições de andar de ônibus, ele precisa pagar um vizinho para transportá-lo diariamente até a capital. Um gasto que está sendo coberto, até o momento, por um bingo que foi realizado em benefício do paciente para arrecadar fundos para seu tratamento.


Outra situação parecida acontece na localidade de Macegão, onde uma criança que tem deficiência intelectual precisa ir 3 vezes por mês para tratamento em Porto Alegre e precisa sair de casa ás 3h da manhã para pegar o ônibus ás 4he30min na parada mais próxima que fica na Miraguaia, mas não tem condução para ir até lá e acaba perdendo as consultas marcadas.


As duas situações relatadas pelo vereador Marcelo Gaúcho foram solucionadas pela Secretaria de Saúde, após a intervenção do edil, porém muitos casos ainda precisam de atenção especial do executivo e devem ser estudados para que também possam ter uma boa solução.

 

O Gabinete Móvel do mês de maio estará atendendo a comunidade de Arroio do Carvalho no próximo sábado, dia 19. O atendimento, liderado pelo vereador Rodrigo Massulo, será feito de casa em casa, a partir das 14h, devido ao tamanho da comunidade e a distância de cada residência.


Todos os meses o Gabinete Móvel visitará uma localidade ou um bairro diferente com o objetivo de ouvir as pessoas, que são aqueles que realmente sabem o que suas comunidades precisam.


Geralmente, é instalado um gazebo com mesa e chimarrão, no entanto, quando as casas das comunidades são distantes uma das outras, a visita é feita de porta em porta, com uma boa estrutura, para atingir o maior número de pessoas possível.